segunda-feira, março 06, 2006

ÓSCARES 2006



A surpresa, na cerimónia da entrega dos prémios da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de 2006, chegou no fim. É um acontecimento sempre agradável. Contudo, nutro a opinião de que essa surpresa deixou um certo traço azedo em algumas pessoas... incluindo eu.

Falou-se muito, nos tablóides, de este ano haver os «Óscares Maricas». Assistiu-se, isso sim, aos «Óscares Medricas» — sem tirar o mérito a COLISÃO, não foi possível esconder o receio da Academia em premiar O SEGREDO DE BROKEBACK MOUNTAIN, o qual acaba por ser vítima do seu "vedetismo". Valeu-lhe, sem sombra de dúvida, o galardão atribuido ao seu realizador, Ang Lee.



O outro resquício de amedrontamento, por parte dos membros da Academia, notou-se na entrega do Óscar de Melhor Filme Estrangeiro para TSOTSI, da África do Sul, em detrimento do profundo PARADISE NOW, da Palestina — novamente, as quezílias entre nações a ditar os vencedores e os vencidos.

Nas categorias de interpretação, nenhuma surpresa. A única dúvida maior residia no prémio para melhor actriz, que acabou por chegar às mãos do filme que mais investiu em promoção: Reese Whiterspoon, por WALK THE LINE, bateu Felicity Huffman, por TRANSAMERICA, a (na minha opinião) melhor performance feminina da temporada, embora seja, igualmente, de admirar o trabalho da vencedora — inclusive, submeteu-se a intensivas lições de canto, o que demonstra o género de perseverança que tanto agrada aos votantes da Academia.



Uma breve palavra para os perdedores, encabeçados por Steven Spielberg: o seu fenomenal MUNIQUE e o emocionante A GUERRA DOS MUNDOS saiu totalmente derrotado. BOA SORTE, E BOA NOITE, como seria esperado por muita gente, também saiu "enjeitado" da cerimónia.

E que dizer do anfitrião Jon Stewart? Politiquices à parte, o homem sentiu-se como peixe na água. Uma experiência a repetir.



A lista completa dos vencedores, cortesia do IMDB.

4 comentários:

Hugo Alves disse...

Uma vez mais a dita "Academia" provou que é de um conservadorismo total nas escolhas.

Se o Óscar não fosse para "Brokeback Mountain" só poderia ter ido para "Munich", dois filmes claramente acima da concorrência.

Quanto à Reese Witherspoon, tivemos a Academia a premiar, de certa forma, um ideal de americanidade, em detrimento da sensacional Felicity Huffman.

No comments...

brain-mixer disse...

O Brockeback Moutain só não ganhou mais Óscares porque foi pura e simplesmente um filme menor perante os outros nomeados. Do meu ponto de vista, podia ter sido saido ainda mais derrotado.

Só tenho pena da Guerra dos Mundos não ter ganho o óscar de melhor som (sound effects) que foi o aspecto mais genial em todo o filme, sem depreciação de King Kong é claro.

E o Jon Stewart... Podia ter ido mais além! Enfim...

S0LO disse...

A vitória de "Crash" no Óscar de Melhor Filme é completamente descabida...principalmente tendo em conta a excelente qualidade dos restantes nomeados nessa mesma categoria.

Cumps.

Zyro disse...

Convido o autor deste blog para uma visita a

http://blogblogblogcinema.blogspot.com/
Participa.
Bons filmes e bons blogues.