segunda-feira, julho 03, 2006

ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS (1951), de Clyde Geronimi, Wilfred Jackson e Hamilton Luske



De todos os clássicos, antigos ou modernos, saídos da Disney, existem três filmes que exercem um peculiar e inexplicável efeito em mim: O REI LEÃO (1994), PACHA E O IMPERADOR (2000) e, de forma especial, o condutor deste post. Não irei explicar agora as razões do meu fascínio pelo outros dois. Assistido com o mesmo prazer com que se lê o romance de Lewis Carroll, ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS pode ser considerado (permitam-me a liberdade) como o filme mais abrangente, em termos de audiências, alguma vez produzido pela casa de Walt.

Apesar das inúmeras controvérsias que rodeiam a história original (nomeadamente, a polémica afirmação de que Lewis Carroll era pedófilo* e que a presente história revela esse facto), é impressionante como o filme consegue exibir sinais de humor apropriado para as crianças e um sem-fim de motivos de análise/simbolismo para os adultos. Aliás, não admira, portanto, o enorme movimento de culto que se gerou à sua volta — ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS foi, inclusive, o filme mais alugado por estudantes universitários americanos, nos anos 60, como principal acompanhamento das suas trips de ácido, pelo menos até à estreia de 2001 - ODISSEIA NO ESPAÇO (1968).



Apoiado na torrente das possíveis interpretações do livro, o filme adapta, igualmente, essa circunstância, enfatizando na sua paleta alucinogénica o carácter surreal da narrativa e utilizando a montagem para imprimir um ritmo frenético ao desenrolar da mesma — a sequência da mesa do chá, com o Mad Hatter, é uma absoluta prova desta afirmação. Uma experiência única de animação, que se torna mais interessante e ambígua a cada visionamento.

Do estatuto de cult-movie, ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS já não foge. Foram várias as adaptações ao grande ecrã (embora pouco notáveis), obraram-se inúmeras séries de TV baseadas no conto e, até, já foi lançado no mercado um jogo de computador inspirado no universo de Alice, de seu nome American McGee's Alice, o qual terá versão cinematográfica em 2007. Conta com Sarah Michelle Gellar no papel principal e possui, por enquanto, um apelativo fanmade poster.

Tão estranho e inusitado quanto o País das Maravilhas...

3 comentários:

Anónimo disse...

best regards, nice info » »

Anónimo disse...

Cool blog, interesting information... Keep it UP » » »

Anónimo disse...

That's a great story. Waiting for more. » » »