domingo, novembro 28, 2004

"Alexandre, o Grande (Fracasso?)"





Nas palavras de Oliver Stone, realizador de ALEXANDER, "este é um filme difícil, mas eu nunca fiz filmes fáceis". De facto, assim parece, sobretudo para quem o vê.
Foi quinta feira passada, dia 25, que estreou, nas salas americanas, a mais recente incursão cinematográfica pela Antiguidade Clássica: ALEXANDER. Com um elenco de luxo (Colin Farrell, Angelina Jolie, Val Kilmer, Jared Leto, Anthony Hopkins,...) e "empunhando" fortes valores artísticos, a nova obra de Stone foi absolutamente arrasada pela crítica americana, e nem os resultados de bilheteira estão ao nível do esplendor do filme.
Na realidade, do que mais se tem falado (mal) é, sobretudo, do ritmo de ALEXANDER: há quem diga que é uma "chatice com duração de 3 horas", durante a qual fica a sensação de que a intensa narração do filme mais não é do que uma escapatória para "acelerar" o desenrolar dos eventos. Segundo outras opiniões, o problema reside na fraca densidade das personagens e/ou na má escolha de rumo atribuída às mesmas (exemplo disso é o sotaque imposto a Angelina Jolie, cuja caracterização já mereceu o epíteto de "vampira"), e ainda surgem os que afirmam que só as sequências das batalhas salvam o espectador de adormecer na cadeira do cinema.
Contudo, e aparentemente averso a este "vendaval" de más-línguas, Stone já afirmou, numa entrevista ao New York Times, que tem "a certeza absoluta" de que o filme vai ser encarado doutra forma na Europa. O filme já cá chegou, agora há que constatar se as certezas do realizador de PLATOON e JFK estão correctas. Estarei atento...

1 comentário:

Miguel Andrade disse...

mais um filme massacrado antes da estreia! Tipo Mulher Gato, etc Se bem que no caso de Halle Berry vox populli....