domingo, fevereiro 19, 2006

IMORTAL (2004), de Enki Bilal



O melhor exemplo de "filme-híbrido" que só a tecnologia digital poderia criar, IMORTAL é a soma de ciberpunk, Art Deco e mitologia egípcia cujo produto final resulta numa das obras mais originais e mais falhadas do seu género.

Adaptado da banda desenhada de Enki Bilal, nomeadamente de «La Foire aux immortels» e «La Femme piège» (integrantes da trilogia Nikopol), IMORTAL mostra-nos uma Nova Iorque no ano 2095, na qual humanos e criaturas artificiais vivem lado a lado, o trânsito é controlado por uma extensa rede de cabos eléctricos e o céu é visitado por uma pirâmide gigante — o meio de transporte de uma figura alada, corpo de homem e cabeça de águia, baptizada de Hórus e que chega à cidade para ser julgado pelos outros deuses. O seu caminho cruza-se com Nikopol (Thomas Kretschmann), obrigado a ceder o seu corpo nas alturas mais convenientes à divindade. Por outras palavras, está em causa o intuito de Hórus conceber um filho humano, e a escolhida é Jill (Linda Hardy, ex-Miss França), uma misteriosa rebelde neste mundo utópico.



Parece confuso? É mesmo. Apesar da beleza visual do filme (isso é inegável), há que ter em mente o facto de se tratar de uma adaptação de BD, meio que ainda não conseguiu encontrar a sua eficaz correspondência com o cinema — apesar da "transladação" eficaz patenteada em SIN CITY (2004). Este estilo de adaptações implica, na maioria dos casos, uma perda substancial do simbolismo da história, e a trilogia de Bilal (cujos volumes já tive o privilégio de observar) sofreu com a mudança de meio artístico. O formato original de banda desenhada vive, sobretudo, da associação entre as parcas esperanças do futuro da Humanidade e a herança do passado, ainda que mitológica, como forma de reflectir sobre o presente. Neste caso, IMORTAL apenas efectua um voo rasante nessa simbologia, deixando-nos com uma produção claramente oca em termos narrativos (um exemplo máximo é a personagem Jill, cujos motivos para os seus comportamentos e obrigatoriedades nunca são esclarecidos). Nem a presença do autor da banda desenhada na cadeira de realizador anula essa impressão: o filme demora muito a descolar, situação causada pela obrigatoriedade de localizar o espectador não familiarizado com a história, e quando a acção principal arranca, permanece a sensação de estarmos a ver outro filme e outro argumento, mas com os mesmos protagonistas.

Apesar disto, não é uma hora e meia mal gasta. O cinema de alta definição veio para ficar, e a IMORTAL já não fugirá a honra de ser um dos primeiros panteões a explorar esta nova vertente. O seu a seu dono... E ainda nos é concedido o "bombom" de avaliar Charlotte Rampling no papel mais "radical" da sua carreira.



6 comentários:

S0LO disse...

Já vi este filme no clube de vídeo para alugar, mas ainda estou na dúvida se o veja ou não...Tenho um "feeling" de que não vou gostar.

Boa análise :)!

Cumps.

brain-mixer disse...

Tenho o DVD original e estou arrependido :S

David Santos disse...

não gostei.
Achei mto mau, principalmente em termos de efeitos visuais fica mto aquém.
Adaptado da BD, a reprodução visual está demasiadamente digitalizada, e algumas personagens ainda mais.

Eu prefiro ver o Major Alvega

1/10

Marcos Aurelio Felipe disse...

Adicionado!

Pure_Water disse...

Há uns anos tentei ver este filme...sim tentei, porque adormeci passado 20min :(

Tem efeitos giros (para a época), mas é demasiado utópico e com uma história um bcd confusa, e como tava conm sono tb n ajudou.

aleixo disse...

Eu gostei muito do filme !!

fiquei horas tentando olhar ele e nada ... agora finalmente achei nao vejo pq nao intender a historia !! simples nao entendem nada de filme