quarta-feira, março 31, 2010

Curiosidade da Semana...

... ou Segredos no "Duche de Hitchcock"



A sequência do duche em PSICO constitui uma das sequências mais famosas da história do Cinema. No entanto, Alfred Hitchcock e a sua protagonista Janet Leigh foram cúmplices na fabricação de um persistente mito em torno da sua concretização.

Este e outros factos, muito deliciosos para apreciadores das histórias que a Sétima Arte nunca registou, podem ser conhecidos no livro «The Girl in Alfred Hitchcock's Shower», de Robert Graysmith (o jornalista que originou a personagem de Jake Gyllenhall em ZODIAC, de David Fincher).



Quando PSICO estreou em 1960, os críticos foram unânimes em declarar a cena do duche como a mais chocante de sempre num filme de terror. Utilizando uma montagem frenética (a sequência possui cerca de 70 planos, que duram entre um a dois segundos) associada à aguerrida e icónica banda sonora de Bernard Herrmann, Hitchcock criara uma brilhante ilusão de gore, violência e nudez — embora esta seja pouco visível.

Mas a maior ilusão de todas terá sido a sugestão de que a cena fora inteiramente filmada com Janet Leigh, algo que a própria actriz sempre confirmou nas conferências de imprensa aquando da estreia do filme. O tempo encarregou-se de provar que, à excepção dos grandes planos de Leigh, o corpo que vemos a ser "esfaqueado" por um maníaco Anthony Perkins pertenceu, na realidade, a uma modelo chamada Marli Renfro.



Foi a partir da curiosidade de Graysmith acerca do paradeiro desta "desconhecida stuntwoman" que The Girl in Alfred Hitchcock's Shower ganhou forma, revelando-se um cativante trabalho de pesquisa no qual o autor descobriu, entre outros pormenores, que Janet Leigh, para PSICO, tinha na verdade duas body doubles (a outra chamava-se Myra Davis e, ironicamente, conheceu um fim quase tão trágico como o da personagem do filme de Hitchcock).

Enquanto acalento a esperança de que surja uma edição portuguesa nas nossas livrarias, os mais "impacientes" podem recorrer à encomenda online neste endereço ou consultar esta interessante sinopse do livro.

Ideal para a descoberta de que Hitchcock, até na vida real, foi um mestre por excelência na ilusão cinematográfica...

4 comentários:

Maninha disse...

a cena já não aterroriza ninguém, mas lembro-me da minha mãe contar que, na altura, depois de ver o filme, passou a ter uma sensação esquisita no duche :)

Vanda Firmino disse...

É, sem dúvida, um marco do Cinema.
Obrigada pelo blogue, está na lista dos meus preferidos :)
Cumprimentos

César Paulo Salema disse...

Porque hoje vi um grande filme. Também do agrado do Sam.
Por isso aqui fica, mesmo que num post sobre PSICO.
Escrevi em A VIDA É UMA MAGNÓLIA uma ode a A SINGLE MAN.
Visite-a, ok, Sam?

Emanuel disse...

interessante.