segunda-feira, dezembro 31, 2012

A Angústia do Blogger Cinéfilo no Momento do Penalty: 2.ª Edição



Está de volta o grande evento cinéfilo-desportivo da blogosfera internacional: o torneio interblogs A Angústia do Blogger Cinéfilo no Momento do Penalty.

Organizado pelo blog CINEdrio, esta segunda edição apresenta oito equipas em busca da vitória, a qual é decidida pelo voto do público. [NB: para a compreensão integral das regras deste torneio, consultar a informação constante neste link.]

O Keyzer Soze apresenta o seu plantel e estratégia para a "nova temporada" — um onze geográfica, demográfica e esteticamente variado, tal como a postura deste blog para com o cinema contemporâneo:



Guarda-Redes – Jafar Panahi: discreto mas sempre preparado para (se) defender, a sua perícia em contrariar os ataques mais complexos e inexplicáveis fazem dele um guarda-redes cuja qualidade merece sempre confiança.

Defesa direito – Jeff Nichols: a principal esperança deste onze, demonstra potencial para a polivalência.

Defesa esquerdo – Errol Morris: com a sobriedade de um documentarista e a criatividade de um contador de histórias, é um elemento que ajudará a equipa nos piores momentos do jogo.

Defesas centrais – Alain Resnais e Martin Scorsese: a experiência e maturidade destes dois nomes aliam-se à ausência de receio em arriscar e demonstrar espontaneidade no ataque perante colectivos mais jovens.

Médio centro defensivo – Gaspar Noé: duro, implacável e determinante, nenhum adversário (leia-se, espectador) ficará igual depois de enfrentar a sua técnica, que tanto pode ser defensiva como atacante. Em alguns casos, não hesitará em abusar do “físico”.

Médio direito – Chan Wook Park: irreverente, metódico e inesperado, é um garante de assistências para colegas (ou filmografias) mais adiantados.

Médio esquerdo – Oliver Stone: por vezes individualista, as suas decisões podem ser mais prejudiciais do que úteis, contudo será sempre um dos mais inconformados em campo. Mas quando o remate se revela inspirado, é golo certo.

Médio centro ofensivo – William Friedkin: parece que não damos pela sua presença em campo, mas está sempre à procura de inverter o terreno de jogo, de desafiar tanto a táctica da sua equipa como a do adversário e surpreende em cada movimento decisivo que opera.

Pontas-de-lança – Nicolas Winding Refn e José Padilha: frieza nórdica e imprevisibilidade sul-americana para um ataque capaz de resistir às mais diversas defesas cinematográficas.

1 comentário:

Jorge Teixeira disse...

Belas escolhas e belas justificações. Esperemos agora que todas as equipas se defrontem taco a taco, com bastante competitividade. Aproveito para desejar sucesso à equipa Keyzer Soze's Place :)

Cumprimentos,
Jorge Teixeira
Caminho Largo