domingo, abril 28, 2013

O Cinema dos Anos 2000: As Confissões de Schmidt, de Alexander Payne




Quando ganhou em 2002 o Globo de Ouro na categoria de Melhor Actor num Drama pelo seu (grande) papel em AS CONFISSÕES DE SCHMIDT, Jack Nicholson disse no seu discurso que "bem, não sei se deva estar feliz ou com vergonha, já que pensei que tínhamos feito uma comédia...".

E AS CONFISSÕES DE SCHMIDT, belíssimo filme de Alexander Payne, é, efectivamente, um filme que caminha frequentemente entre esses dois géneros, apoiando-se sempre na base da trama que explora aquela que é, afinal de contas, aquela tragédia a que havemos de chegar todos a certa altura: o momento em que percebemos que já não temos assim tantos anos de existência, quando estamos já na reforma e nos achamos incapazes de fazer muito mais além de ver o Querida Júlia e jogar bingo, sendo forçados a perguntar-nos "Então, mas afinal de contas o que é que eu fiz exactamente desta coisa a que chamam de vida?".

Este medo, esta crise de velha-idade a que provavelmente havemos de chegar, é daquelas coisas mais banais e universais da humanidade, representada aqui pela personagem normal e universal que é Schmidt, o velhote reformado que, após a morte da mulher (que, após décadas de casamento, achava até bastante chata), embarca numa viagem de auto-descoberta na esperança de descobrir o que foi a sua vida, o que dela fez, e até que ponto pode ainda marcar o futuro daquela que deveria ser, supostamente, a pessoa mais próxima que tem: a sua filha, com quem tem uma relação menos que terna, que o olha como aquele pai velhote e rezingão que já não tem muito a dizer sobre seja o que for, e que vai casar com um bronco de rabo-de-cavalo que o pai não aprova.

Jack Nicholson tem aqui aquele que é, realmente, um dos maiores papéis da sua carreira. Um dos maiores ícones de Hollywood, o charmoso irresistível que assim continua mesmo nos seus 60 e tal anos, é aqui visto sem charme, sem estilo e sem poder. Aqui, Nicholson está careca, desajeitado, ignorado, e desesperado por saber o que deixará para trás quando a sua vida chegar ao fim. E está muito, mas mesmo muito bem.

Alexander Payne, autor respeitado e pequeno mestre nestas explorações dramo-cómicas do quotidiano universal, atingiu aqui o seu pico: AS CONFISSÕES DE SCHMIDT faz-nos passar do "haha" ao "aww" em poucos segundos, e fá-lo sempre com uma facilidade enorme, sem qualquer tipo de manipulação, com um espírito de cinema honesto e simples que hoje em dia é raro (principalmente em qualquer obra que tenha, como protagonista, uma das maiores estrelas do Cinema). Payne, que tanto realiza como co-escreve o argumento, tem aqui uma realização tanto sóbria como inspirada, explorando bem tanto os momentos mais hilariantes (e nem são poucos: veja-se, por exemplo, literalmente qualquer uma das cenas com Kathy Bates) como os mais belos. O filme "respira", com um elenco todo em bom nível a ter tempo para mostrar o seu talento (tanto Hope Davis como Dermot Mulroney, este em modo de constante comic-relief, estão muito bem), e com a história sempre a ser contada ao ritmo certo, da forma certa.

AS CONFISSÕES DE SCHMIDT assenta, claro, muito sobre os ombros de Nicholson. Mas há que reconhecer também o talento de Payne em aproveitar tão bem esta superestrela da velha-guarda, em despir Nicholson tão bem e o mostrar tão frágil e, diga-se, tão parecido a tantos outros velhotes reformados que vemos a passar na rua. Por vezes, o trabalho de um bom realizador não é tanto o de nos espetar com a sua realização na cara, mas mais o de deixar que a história se vá contando a si mesma, interpretada por actores que bem o sabem; e aqui temos exactamente isso.

E depois há, claro, aquele final; aquele pequeno murro no estômago que tanto comove quanto dá que pensar, que mostra um Nicholson em close-up com lágrimas pela face, rugas na testa, e um olhar tão genuíno que faz com que as lágrimas dele passem para nós. É aquele final que nos é dado quando achamos que não há final optimista num filme com momentos tão cómicos, aquele momento de Cinema com C capital que vem quando menos esperávamos, quando encaramos Schmidt com tristeza e simpatia em iguais-medidas. E é naqueles minutos finais que o filme revela aquela bela verdade tão universal quanto a personagem que lhe dá título: muito frequentemente a nossa própria vida mede-se não tanto pelo que nos deu a nós, mas mais pelo que deu aos outros.

AS CONFISSÕES DE SCHMIDT pode ter um nome muito específico no seu título de duas palavras, mas refere-se, afinal de contas, a todos nós que andamos ora aos encontrões no metro ora a olhar para o relógio que não pára... e que, a certa altura, vai começar a ficar sem corda, fazendo-nos questionar exactamente o que é que andamos a fazer aquele tempo todo.

por Gonçalo Trindade (Ante-Cinema).

Elenco
. Jack Nicholson (Warren Schmidt), Kathy Bates (Roberta Hertzel), Hope Davis (Jeannie Schmidt), Dermot Mulroney (Randall Hertzel), June Squibb (Helen Schmidt), Howard Hesseman (Larry Hertzel), Harry Groener (John Rusk)


Palmarés
. Globos de Ouro: Melhor Actor — Drama (Jack Nicholson), Melhor Argumento (Alexander Payne, Jim Taylor)
. National Board of Review: Melhor Actriz Secundária (Kathy Bates)
. Círculo de Críticos de Los Angeles: Melhor Filme, Melhor Actor (Jack Nicholson), Melhor Argumento (Alexander Payne, Jim Taylor)
. Círculo de Críticos de Nova Iorque: Melhor Filme, Melhor Actor (Jack Nicholson), Melhor Argumento (Alexander Payne, Jim Taylor)


Sobre Alexander Payne

Figura proeminente do novo cinema norte-americano, os seus filmes são marcados pela apresentação satírica e pessimista da sociedade moderna e por protagonistas cujos defeitos não desviam a empatia por parte do espectador. Da sua filmografia, destacam-se CITIZEN RUTH (1996), ELECTION (1999), (2004) e OS DESCENDENTES (2011, Oscar de Melhor Argumento Adaptado).



Sem comentários: