quarta-feira, abril 24, 2013

O Cinema dos Anos 2000: Femme Fatale, de Brian De Palma




FEMME FATALE é o sonho húmido, fantasista até ao orgasmo, de um dos maiores hitchcockianos ou pós-hitchcockianos que o cinema teve, tem e alguma vez terá. De Palma reincide, como se movido por um trauma feliz, na reconstituição peça a peça — foto a foto, como faz a personagem de Banderas no filme — do grande puzzle impossível que reúne numa só imagem REBECCA, A MULHER QUE VIVEU DUAS VEZES, JANELA INDISCRETA e INTRIGA INTERNACIONAL. FEMME FATALE é o nec plus ultra da arte de De Palma do "copy paste" intrincado, da cópia tão elaborada que se vende — e nós compramo-la, claro — como o mais indesmentível dos originais.

Nesta história sexual de diamantes roubados, identidades estilhaçadas e voyeurismos (não, orgasmos) múltiplos, De Palma abençoa o cinéfilo com essa superior criação divina chamada Rebecca Romijn-Stamos, que nos é apresentada como um reflexo misterioso "postado" sobre o ecrã de televisão onde passa PAGOS A DOBRAR (1944). É esta "imagem sobre imagem" que nos dá a ver pela primeira vez a femme fatale deste filme. Tal solução não é só engenhosa, porque resume muito bem todo o gesto de um cinema: o de De Palma, como é evidente... Ora, que outro poderia ser? O de Wilder? Entenda-se: PAGOS A DOBRAR é homenageado para ser posto a rastejar no final deste tour de force eivado do mais elaborado sex appeal clássico. Para mim, é limpinho: Rebecca Romijn-Stamos 1 — Barbara Stanwyck 0.

por Luís Mendonça (CINEdrio e À Pala de Walsh, organizador do ciclo de cinema Década dos Zeros).

Elenco
. Rebecca Romijn-Stamos (Laure Ash / Lily Watts), Antonio Banderas (Nicolas Bardo), Peter Coyote (Embaixador Bruce Watts), Eriq Ebouaney (Black Tie), Rie Rasmussen (Veronica), Thierry Fremont (Inspector Serra), Gregg Henry (Shiff)


Sobre Brian De Palma

Variando entre o terror psicológico — SISTERS (1973) e CARRIE (1976) — e obras de assumido cariz comercial — SCARFACE — A FORÇA DO PODER (1983), OS INTOCÁVEIS (1987) e MISSÃO IMPOSSÍVEL (1996) —, De Palma encontrou distinção e alguma polémica nas suas constantes homenagens (para alguns, "cópias") a Alfred Hitchcok (OBSESSÃO, 1976) e Michelangelo Antonioni (BLOW OUT — EXPLOSÃO, 1981), criando, nesse processo, um inegável estilo autoral.



Sem comentários: