sábado, maio 18, 2013

Sessão de Curtas #5 — Especial Festival de Cannes



A 66ª edição do Festival de Cannes já decorre em todo o seu fulgor, e esta assume-se como a ocasião perfeita para destacar uma das Competições mais antigas e menos mediáticas do certame: a Palma de Ouro de Curta-Metragem.

Para nós, portugueses, não deverá ser totalmente desconhecida, pois ARENA, de João Salaviza, foi premiado em 2009 neste concurso. Contudo, qual é nosso conhecimento sobre outros exemplos de curtas-metragens premiadas em Cannes?

Infelizmente, a possibilidade actual de visualizar um número considerável de filmes afigura-se complicada e limitada; existem, inclusive, alguns títulos considerados desaparecidos, sendo a versão completa de SCURTA ISTORIE (1956, Ion Popescu-Gogo) o caso mais célebre. No entanto, e graças a uma série de plataformas open source na Internet, o legado de muitas curtas-metragens laureadas em Cannes chegou até aos nossos dias.

Ficam aqui, numa selecção "oficial" e pessoal do Keyzer Soze, dez dos títulos mais interessantes que estiveram — e ganharam — em Competição durante 65 edições do Festival de Cannes, ao mesmo tempo que se elogia a capacidade da curta-metragem em produzir qualidade cinematográfica num formato propício à concisão temporal e provocação temática.

. CRIN BLANC: LE CHEVAL SAUVAGE (1953), de Albert Lamorisse



No sul de França, nas vastas planícies da Carmaga, vive o "Crista Branca", o imponente macho dominante do grupo de cavalos selvagens da região. Apenas Folco, um jovem pescador, é capaz de o domesticar. Uma forte amizade cresce entre rapaz e cavalo, à medida que ambos procuram a liberdade que o mundo dos homens não lhes possibilita.



. CITY OF GOLD (1957), de Colin Low e Wolf Koenig



Vívida recordação do auge da corrida ao ouro em Klondike, Pierre Berton, natural da pequena Dawson City, narra o ambiente que se sentiu na cidade, durante os breves meses em que potenciais garimpeiros desafiaram colinas íngremes e caminhos gelados na busca de lendários campos de ouro, a mais de trinta mil quilómetros a norte de qualquer civilização.



. SKY OVER HOLLAND (1967), de John Fernhout



Filme promocional, rodado em 70mm, que contrasta imagens naturais da característica paisagem da Holanda com as famosas representações que os grandes pintores holandeses do Século XVII lhes dedicaram.



. LA PINCE À ONGLES (1969), de Jean-Claude Carrière



Por vezes, os objectos podem ser caprichosos. Num quarto de hotel, o paradeiro de um corta-unhas escapa de quem julgava ser o seu proprietário exclusivo. Com argumento de Milos Forman, esta é uma intrigante e concisa história sobre estranhos desaparecimentos.



. OPERATION X-70 (1971), de Raoul Servais



Nebelux, uma nação pacífica, é acidentalmente bombardeada pelo gás venenoso X-70, concebido para "manter ratos e cidadãos asiáticos" num estado letárgico e eufórico. No entanto, os resultados daquela arma, na população de Nebelux, são inesperados.



. Z PODNIESIONYMI REKAMI / WITH RAISED HANDS (1986), de Mitko Panov



A fotografia mais icónica do Holocausto — tirada no gueto de Varsóvia — é incisivamente recriada através de uma milagrosa história de evasão.



. AB OVO (1987), de Ferenc Cakó



Animação em areia sobre a História da Humanidade.



. ANINO / SHADOWS (2000), de Raymond Red



Um fotógrafo pobre é atormentado por um ser maligno à saída de uma igreja. Mais tarde, vagueia pela dura e desventurosa realidade da vida nas ruas de Manila, ficando com as suas convicções mais profundas abaladas.



. PIZZA PASSIONATA (2001), de Kari Juusonen



Toivo é um homem tímido e solitário, com memórias recorrentes da sua infância. Mas será que o passado e o poder gastronómico de uma pizza poderão fazer a diferença no que toca a conquistar a mulher dos seus sonhos?



. CHIENNE D'HISTOIRE (2010), de Serge Avédikian



Constantinopla, 1910. As ruas da cidade estão pejadas de cães vadios. O recém-empossado governo, influenciado por um modelo ocidental de sociedade, convoca especialistas europeus para encontrar uma solução para os cães, os quais viverão o exílio forçado, o abandono e o sofrimento.



Sem comentários: