terça-feira, dezembro 29, 2009

2009: As Decepções

Depois da anterior publicação dos melhores filmes de 2009, segue-se a listagem dos títulos que constituíram o menos positivo do ano. Enquanto cinéfilo, respiro pelo lema de «não existe filme que seja mau filme», mas presto muita atenção aos que decepcionam veementemente — por outras palavras, os que me deixam com uma sensação semelhante ao de sermos mal servidos num restaurante...

Uma ou outra escolha poderá ser polémica, por isso estou sempre disponível ao acolhimento de opiniões e posterior debate.


BRÜNO


A acutilância de BORAT era façanha difícil de reproduzir, e aposto que o próprio Sacha Baron Cohen estava ciente disso quando embarcou na versão em longa-metragem das desventuras do "fashionista" homossexual austríaco que o actor havia popularizado no pequeno ecrã. Incapaz de suscitar a reacção pretendida das suas "vítimas" sem recorrer a humor escatológico e/ou chocante, o desconcerto visível das pessoas com que Brüno se cruza transmite-se, num ápice, para o espectador. Por mim, não fiquei desconcertado mas muito desiludido.


TRANSFORMERS: RETALIAÇÃO


Tremendamente eficaz no que toca a cumprir os requisitos de um blockbuster, o sucesso financeiro deste filme confunde-me a vários níveis. O marketing não demonstrou pujança inovadora para atrair tanto espectador (é "apenas", e de acordo com os sites de referência, o filme mais lucrativo de 2009) e a sua composição roça o torpe, mesmo para os padrões de cinema de acção. Excessivo, incompreensível, descontrolado e, sobretudo, longo: em resumo, são 150 minutos de massacre sonoro-visual ao espectador.


THIS IS IT


Os derradeiros momentos, registados em vídeo, do Rei da Pop ocupa lugar na lista dos piores do ano pelo desajeitado aproveitamento da imagem de um ícone cujo percurso, nos últimos tempos, suscitou mais interesse pelo escândalo em detrimento do seu marco na história da música do Século XX. Produto aparentemente confeccionado para fãs die hard do artista, a realização limitou-se a colar o máximo de "vinhetas" disponíveis para desenvolver uma ilusão de coerência, revelando-se um híbrido falhado entre o filme-concerto e o documentário de bastidores.


ACTIVIDADE PARANORMAL


Talvez eu seja demasiado exigente ou pouco impressionável, mas a verdade é que esteve longe de me provocar a reacção física e psicológica esperada do propagado «filme mais assustador da década» — suspeito que os (já) lendários arrepios de Steven Spielberg após a sua visualização deveram-se mais a perspectivas económicas do que à qualidade intrínseca da obra. Produzido por amadores (bem patente nos desempenhos da realização e do elenco) e repleto de ilógica, apenas se salva a sua publicidade bem oleada e a intenção de querer ser original num género que está, actualmente, afundado em clichés. Mas, e parafraseando a sabedoria popular, "de boas intenções..."


THE SPIRIT


É, para mim, o fracasso mais incompreensível do ano. De Frank Miller (agora "instalado" em Hollywood após a adaptação cinematográfica da sua graphic novel SIN CITY — A CIDADE DO PECADO) esperava-se tudo menos a total deturpação da banda desenhada de Will Eisner. Inadvertidamente burlesco (na pior acepção do termo) e sem o mínimo de harmonia narrativa, o "desastre" não é evitado, sequer, pela sua deslumbrante fotografia nem pela visão do elenco feminino mais apelativo de 2009 em "generosos" decotes.

E quais são as vossas escolhas?

5 comentários:

Gonga disse...

Concordo ctg, Bruno e This is it foram decepcionantes. Contudo Paranormal Activity não me pareceu assim tão mau.
O filme não tras nada de novo ao cinema mas acho que houve filmes piores.
Um bom ano de 2010

Red Dust disse...

Vi ontem o Brüno. Para mim é uma das desilusões do ano. Fraco.

O Spirit é um filme muito irregular. Mas tem alguns méritos. Talvez não o colocasse neste top.

Um excelente 2010 para ti e os teus!!!!!

gustavo hr disse...

Não vi nenhum dos selecionados, mas da minha parte citaria 2012, sem dúvida.

Fifeco (Filipe Ferraz Coutinho) disse...

Juntaria à tua lista o Rock'n'Rolla e o Sherlock Holmes, dois filmes do Ritchie que demonstram um pouco a sua cedência aos caprichos de Hollywood.

Desiludiu-me muito este ano.

Abraço

O Homem Que Sabia Demasiado disse...

Subscrevo as desilusões.