terça-feira, maio 08, 2012

A VINGANÇA DE UMA MULHER (2012), de Rita Azevedo Gomes



Roberto (Fernando Rodrigues), um dandy que começa a sentir profundo tédio face aos prazeres e encantos da vida, deixa-se tentar, certa noite, por uma mulher (Rita Durão) que o intriga e lhe conta o suplício da sua vida.



Adaptação literal de um conto de Barbey D'Aurevilly, A VINGANÇA DE UMA MULHER apresenta-se como obra densa, pejada de uma plasticidade cénica estática e pouco envolvente (a fotografia de Acácio de Almeida, não obstante a competência a que já nos habituou, é estranhamente unidimensional e quase "asséptica"), numa constante e desesperada busca, em cada plano, pela marca autoral que fique retida na memória impressiva do espectador. Mas o principal "problema" do filme nem reside no seu formalismo. Rita Azevedo Gomes infunde os vários planos-sequência da película com monólogos de natureza intrinsecamente teatral, que se arrasta na referência a brasões reais, intrigas palacianas e profundas mas redundantes descrições da descensão espiritual da protagonista, entrevendo um texto relativamente inadequado para transposição cinematográfica.

Rita Durão acaba por ser o melhor motivo para observar A VINGANÇA DE UMA MULHER. Extrapolando os floreados de vocabulário que lhe foram atribuídos com uma interpretação física e psicologicamente despojada, a actriz confirma todos os positivos indícios de talento revelados em títulos como AS BODAS DE DEUS (1999, João César Monteiro) e QUARESMA (2003, José Álvaro Morais).

Recomendado ao espectador disposto à arrítmica exposição psicológica de uma mulher em busca de vingança. Encontrará aqui inúmeros pontos de interesse.

2 comentários:

Inês Moreira Santos disse...

Este é daqueles filmes que adivinho bem antes de o ver que não o irei suportar, com todo o respeito pelo trabalho dos envolvidos. Pela tua crítica, confirmam-se as minhas suspeitas.

Cumprimentos cinéfilos :*

Sam disse...

Inês, é preciso estar com "cabeça" para ver este filme... :)

Obrigado pelos comentários :*

Cumps cinéfilos.