quarta-feira, maio 19, 2010

Festival de Cannes 2010 — Dia 7



Abbas Kiarostami, principal representante da Nova Vaga do Cinema Iraniano e vencedor da Palma de Ouro em 1997 com O SABOR DA CEREJA, esteve hoje em Cannes, submetendo à Competição Oficial COPIE CONFORME, protagonizado por Juliette Binoche:



Apelidado do filme mais "enigmático" visto até ao momento no presente Festival, ostenta, segundo a crítica do Telegraph, o «melhor desempenho de sempre, em Cinema, de Juliette Binoche». Diante dos jornalista, Kiarostami foi conciso em explicar os seus métodos de trabalho: «Ao longo da minha carreira, sempre procurei reter algum elemento das personagens que criei», e reforçou que «o meu cinema não deriva de nenhuma forma de arte, mas sim da própria realidade».

O enigmático Abbas Kiarostami

Uma conferência de imprensa dominada, acima de tudo, pela solidariedade da equipa técnica de COPIE CONFORME por Jafar Panahi, cineasta iraniano e crítico feroz da política actual do seu país, razão pela qual se encontra encarcerado e, de acordo com muitos rumores, em greve de fome. Binoche não escondeu a sua emoção perante estes factos:



O Cinema Francês também se destacou no sétimo dia do Festival, através do novo filme de Xavier Beauvois (que foi, em tempos, assistente de realização de Manoel de Oliveira), DES HOMMES ET DES DIEUX:



Centrado na história de sete monges franceses misteriosamente assassinados aquando dos conflitos civis na Argélia durante os anos 90, Beauvois elabora uma obra imparcial, preferindo focar o ritmo sereno da vida monástica. «O que me interessou mais foi o percurso e personalidades destes homens». À imprensa, confessou também a sua visão acerca da exploração da religião enquanto veículo para o debate de ideais políticos: «Hoje em dia, alastra-se o debate [em França] sobre a burca, e vemos os políticos a utilizar temas religiosos para atingirem os seus fins. E, contudo, existem assuntos mais prementes, como os sem-abrigo, problemas económicos, a falência na agricultura. Tenho amigos muçulmanos que estão realmente saturados deste falso debate».

Durante a tarde, foi impossível não reparar no impressionante histrionismo de Lambert Wilson (que foi, imagine-se, operado de urgência a uma peritonite no passado Sábado), protagonista de DES HOMMES ET DES DIEUX, perante as objectivas:







Beauvois ainda foi a tempo de fazer uma declaração de apoio "vestuário" a Roman Polanski:

A solidariedade de Xavier Beauvois por Roman Polanski

Destaque final para a projecção, fora de Competição, do novo filme de Stephen Frears, a adaptação ao grande ecrã de TAMARA DREWE, uma graphic novel britânica criada por Posy Simmonds:



Gemma Aterton interpreta a personagem que empresta o nome ao título do filme, e o seu retrato de "patinho feio" convertida em sex symbol conquistou os principais louvores da crítica. Mas, apesar de ter sido 'Bond girl' em 007 — QUANTUM OF SOLACE e da extensa cobertura mediática a que tem sido sujeita no Reino Unido, Stephen Frears confessou nunca ter ouvido falar da actriz: Aterton teve de passar pelos mesmos testes que todas as outras candidatas ao papel. «Ela chegou, sentou-se ao meu lado e perguntei ao director de casting: 'Ela tem talento? Se for esse o caso, contrata-a já», revelou Frears durante a conferência de imprensa, onde o realizador explicou, jocosamente, porque TAMARA DREWE não foi incluído na Selecção Oficial: «O filme não está em competição porque não queria perder e enfrentar uma tão grande decepção!»

Stephen Frears

2 comentários:

Back Room disse...

Tem sido muito bom este acompanhamento a Cannes.

A Juliette é enorme, surpreende-me sempre pela positiva. Estou ansioso por este Copie Conforme.

pseudo-autor disse...

Pelo que andei lendo os filmes do Ken Loach e do Iñárritú (que estou querendo assistir, com a Javier Bardem) parecem ter sido os que mais mexeram com a platéia. E houve uma grande ovação ao brasileiro 5x favela, coordenado pelo Cacá Diegues.

Cultura? O lugar é aqui:
http://culturaexmachina.blogspot.com