terça-feira, abril 30, 2013

O Cinema dos Anos 2000: A Última Hora, de Spike Lee




O meu primeiro encontro com o filme de Spike Lee foi na verdade, um encontro às cegas. Dele, nada conhecia. Entrada numa sala de cinema sem saber bem o que iria ver. Pouco me impressionou na altura, mas há filmes que necessitam de uma certa maturidade para os podermos receber. E foi mesmo isso com este A ÚLTIMA HORA, mais tarde revelando-se para mim um dos mais importantes desta década dos ‘00.

Uma história sobre um condenado e as suas últimas 24 horas de liberdade no mundo exterior, poderá não trazer, à partida, nada de novo. Mas se há coisa que admiro no cinema de Lee é o seu poder de conceber personagens fortíssimas envoltas num turbilhão de emoções. Neste caso, como é óbvio Norton desempenha um papel fulcral e é ele a cara de um homem que chega ao limite, que vê toda a sua vida desperdiçada. A cidade é Nova Iorque, como não poderia deixar de ser. Uma cidade ferida, pós 11 de Setembro.

História de perda mas também de descoberta e reflexão. A culpa é só de Monty por estar na situação em que está. Monty é o espelho do Ser Humano, sempre à procura de um culpado. A namorada, o pai, os amigos, a própria América. O "fuck you Monty" em frente ao espelho é um dos grandes momentos do cinema do norte-americano. Aquele último dia de liberdade iria mudar Monty, talvez mais ainda do que a própria vida na prisão, mas isso não sabemos, e talvez nem importe. Fico-me com o momento final, mesmo a última cena do filme, em que o personagem principal viaja para anos mais tarde. A ÚLTIMA HORA é sem sombra de dúvida a obra-prima de Spike Lee.

por João Gonçalves (Modern Times).

Elenco
. Edward Norton (Monty Brogan), Philip Seymour Hoffman (Jacob Elinsky), Barry Pepper (Frank Slaugherty), Rosario Dawson (Naturelle Riviera), Anna Paquin (Mary D'Annunzio), Brian Cox (James Brogan)


Palmarés
. Prémios Sant Jordi: Melhor Actor Estrangeiro (Edward Norton)


Sobre Spike Lee

Embora tenha abordado diversas temáticas (contrastes raciais, o quotidiano de comunidades negras nova-iorquinhas, o papel dos media nas sociedades contemporâneas, crime e pobreza urbanos e questões políticas), a carreira de Spike Lee revela-se como uma das mais heterogéneas no panorama do cinema norte-americano durante as últimas três décadas. Da sua filmografia, destacam-se NÃO DÊS BRONCA (1989), A FEBRE DA SELVA (1991), MALCOLM X (1992), VERÃO ESCALDANTE (1999) e INFILTRADO (2006).



Sem comentários: