domingo, dezembro 26, 2010

2010: Os Melhores

E chegamos à inevitável (e muito tramada!) época de balanço do ano que agora termina. Como já é tradição, deixo-vos com o Top 10 dos melhores filmes estreados em Portugal durante 2010, de acordo com o Keyzer Soze:

10º ex-aequo
UM HOMEM SINGULAR



A primeira experiência de Tom Ford como realizador é uma obra cinematográfica por excelência. A elaborada direcção artística funciona em prol do argumento, abundam os qualitativos pormenores de fotografia, montagem, guarda-roupa e maquilhagem a espelharem os estados de espírito das personagens e um Colin Firth assombroso na pele da personagem mais pesarosa que preencheu um grande ecrã este ano.



FANTASIA LUSITANA



Documentário que na análise da propaganda salazarista durante os anos da Segunda Guerra Mundial, mostrando a neutralidade de Portugal como um paraíso de paz no seio de uma Europa em devastador conflito, procura referências de comparação com o actual estado da Nação. No seu minimalismo de imagens e sons (o filme não tem narrador), João Canijo impele o espectador a tirar as suas próprias conclusões.




ANTICRISTO



A controvérsia gerada em Cannes — onde lhe foi atribuído um "anti-prémio" — era suficiente para se perceber que Lars von Trier não iria abandonar a sua infâmia muito própria. E, na verdade, o dinamarquês realizou um dos títulos mais poderosos do ano, uma obra-prima de grotesco cinematográfico. Willem Defoe e Charlotte Gainsbourg, sem medo da exposição ou do rídiculo gratuitos, mantêm o argumento (e o interesse de quem assiste) coeso de uma ponta à outra do filme.




O SÍTIO DAS COISAS SELVAGENS



O filme fantástico para todas as idades do ano — que me perdoem os fãs da ALICE de Tim Burton —, Spike Jonze desenvolve o conto infantil de Maurice Sendak e dá vida à sagaz imaginação de um rapaz de oito anos que se torna rei de uma ilha povoada por criaturas peludas (magníficas e realistas composições digitais) que demonstram idiossincrasias próprias dos adultos.




THIRST — ESTE É O MEU SANGUE...



Chan-wook Park prossegue a sua corajosa e original carreira com uma fresca abordagem ao (sempre em voga) mito do vampiro, mas sem abdicar dos motivos próprios do género, usando o tema — e um padre católico como protagonista — para dissertar acerca do que nos torna humanos. Capaz de se mostrar surreal, espirituoso, visceral e sensual numa única cena, foi dos filmes mais pujantes do ano.




TOY STORY 3



Não há uma única emoção que tenha ficado esquecida: da genuína alegria à honesta comoção e capaz de nos encantar pelo seu deslumbramento visual, nenhum espírito é suficientemente empedernido para deixar de se convencer da maturidade artística alcançada pela dupla Disney/Pixar. A trilogia que definiu a animação concebida por computador encerra com genial chave de ouro.




LÍBANO



Desde O RESGATE DO SOLDADO RYAN que nenhum filme colocava o espectador tão intimamente na linha de fogo dum conflito armado. Totalmente situado no interior de um blindado que acompanha quatro soldados israelitas durante a Guerra do Líbano, em 1982, esta é uma obra de criativa audácia, rigorosa seriedade moral e, acima de tudo, uma experiência cinematográfica inesquecível. Ou tudo aquilo que um war movie deve ser.




A ORIGEM



O padrão de como um blockbuster deve apresentar-se: visualmente atraente, narrativamente inteligente, profundamente envolvente e totalmente satisfatório. Na verdade, existem poucos adjectivos para louvar a dimensão aplicada a um argumento que assume diversos riscos — quer na sua coerência como na capacidade de gerar receitas de bilheteira — do princípio ao fim das suas duas horas e meia de duração.




UM HOMEM SÉRIO



Novo e curioso estudo dos irmãos Coen sobre o absurdo da condição humana, o seu sereno formalismo para explorar uma narrativa freneticamente surrealista torna-o numa das obras mais originais do ano. Impecavelmente filmado, arranca um fabuloso registo de contenção e desespero latente de Michael Stuhlbarg e o seu final ambíguo é susceptível de mais prazer que frustração cinéfila.




CANINO



Este foi, definitivamente, o principal "OVNI" cinematográfico a estrear no nosso país. Reconstituindo temas clássicos que vão desde a história de Adão e Eva até à Alegoria da Caverna (e estas são algumas das interpretações possíveis), a sua peculiar apresentação de condicionamento e livre arbítrio humano tanto pode ser visto como terror absurdo ou comédia atroz. Certo é ser dos filmes mais originais e exigentes do ano.




O ESCRITOR FANTASMA



Um thriller como já não se produz nos dias que correm, Roman Polanski colmata a ausência de explosões ou sustos construindo a sua ameaçante imagem de marca, apostando na contenção de personagens (um elenco formidável), ambiências hostis (nem a Natureza é apaziguadora) e uma economia narrativa (veja-se como um GPS "ajuda" ao desenrolar dos acontecimentos) que poucos alcançam. O cinema clássico puro está vivo!



Concordam? Discordam? Façam-se ouvir!

21 comentários:

Loot disse...

não vi muitos, mas muitos da tua lista, é aqui que vejo o quanto me falta.

o nr um foi uma surpresa pensava que ia ser o social network lol :P

abraço

Sam disse...

:) Gabriel, não achei o Social Network nada de especial.

Pedro Ponte disse...

Sam,

Esta tua lista é mais uma prova de que os Tops 10s anuais são dos exercícios mais interessantes que por aí andam, tal é a sua subjectividade e relatividade. Basta dizer que, não obstante o facto de partilharmos visões/gostos em relação ao cinema semelhantes, a minha lista é consideravelmente diferente - tem apenas 3 dos 11 que formam a tua. A verdade é que a esmagadora maioria dos restantes são filmes que aprecio imenso, especialmente A Single Man, Where the Wild Things Are e Canino. O único no qual discordamos mesmo é o A Serious Man, que não me convenceu de todo (pareceu-me um retrato algo egocêntrico e arrogante da parte dos Coen).

Em todo o caso, gosto muito do teu top, e acho que é um resumo interessante (apesar de algo limitado) daquilo que 2010 foi. É, como disse, bastante diferente do meu, mas sinceramente isso agrada-me, sempre gostei da diferença. :)

Abraço.

Sam disse...

Pedro,

Tenho bem recordado o teu "ódio" ao A Serious Man... :)

10 filmes para (tentar!) caracterizar um ano cinematográfico é sempre limitado e penso que reflectem o nosso estado de espírito durante os últimos 12 meses. Por isso, este é um exercício que dá imenso gosto em fazer, altamente subjectivo e promotor (como bem disseste) da diferença e do debate.

Não deixes de avisar quando sair a tua! ;)

Abraço!

Loot disse...

Eu sei daí ter dito esse :)

Tiago Ramos disse...

Bem, eu sou incapaz de elaborar um top 10. É uma tarefa tão injusta e ingrata que não o faço, simplesmente porque a minha cabeça dá um nó.

De qualquer forma plenamente de acordo com os filmes The Ghost Writer, Dogtooth, Toy Story 3, Thirst, Where the Wild Things Are, Antichrist, Fantasia Lusitana e A Single Man.

Ainda não vi apenas o Lebanon.

De qualquer modo, se escolhesse colocaria o A Single Man e o Antichrist mesmo no topo da lista.

Quanto a A Serious Man, achei surpreendente figurar em terceiro lugar: eu sou daqueles que não apreciou o filme. Já A Origem é um filme que quanto mais tempo passa menos gosto dele e menos qualidades lhe vejo...

Sam disse...

Não fui muito discreto sobre isso, pois não? :)

Fifeco (Filipe Ferraz Coutinho) disse...

Tenho muita pena de não ter visto mais filmes portugueses este ano, sobretudo quando estrearam fitas como Embargo, Filme do Desassossego ou Mistérios de Lisboa. Terminando o desabafo, posso dizer que fico muito contente de ver o A Single Man e o Antichrist incluidos nas listas. Também estarão no meu. Não vi três dos filmes que mencionas o que é uma penas mas é realmente uma surpresa ver o Ghost Writer tão bem colocado. Gostei bastante sim mas não o elevo a um estatuto tão especial :D

Abraço

Vitor Marques disse...

Concordo com os 2 primeiros lugares, por essa ou talvez na ordem inversa. O Anticristo puxava-o um pouco mais para cima.

Sam disse...

Tiago,

Injusta, ingrata e quase impossível! :D

A Serious Man marcou-me logo nos seus minutos iniciais, acho que é das obras mais originais que estrearam este ano.

Filipe,

O 1º lugar do Ghost Writer estava definido há muito tempo. Sou um Polanskiano incurável!

Vítor,

O Anticristo esteve, a certa altura, melhor posicionado. Numa última revisão, passou para 9º, mas poderia muito bem estar em 3º. Agora, aqueles dois primeiros nunca sairiam dali! :)


Obrigado e abraço aos três.

Filipe disse...

Detesto listas e raramente tento organizar uma porque sinto sempre que estou a ser injusto com um ou outro filme... Mas gosto muito de ver as listas de outras pessoas... Para mim tem 2 filmes obrigatórios: "Kynodontas" e "A single man". Sem dúvida, 2 dos filmes do ano que estrearam em Portugal... "Lebanon", "Thirst" e "Antichrist" estão à demasiado tempo à espera para serem visto - falha a colmatar brevemente; gostei de "The Ghost writer" mas não me envolveu como esperava e Brosnan não me convence minimamente; gostei muito de "Wild things", mas não sei se daria para um top; de "A serious man" não gostei mas como o vi logo a seguir ao "A single man", ainda pretendo-lhe dar uma 2ª oportunidade...

Filipe disse...

Esqueci-me apenas de referir que ainda não vi o "Toy Story 3" e que quanto ao "Inception" tenho a mesma opinião do Tiago: "quanto mais tempo passa menos gosto dele" (especialmente do seu argumento). Mas confesso que quando sai da sala de cinema me senti fascinado...

Jorge Rodrigues disse...

Gosto muito da lista mas concordo com o Tiago, fazer um top-10 dá-me a volta à cabeça. Este ano muito provavelmente vai tudo por ordem alfabética e só faço menções de BEST.

Depois, tenho a dizer que me junto aqui ao pessoal que não gostou do A SERIOUS MAN. Eu acho-o um exercício de escrita dos irmãos Coen interessante, mas nada mais. É, como o Pedro diz, narcisista, egocêntrico, prepotente. E aquele final tira-me do sério.

De resto, gosto das menções a THE GHOST WRITER, INCEPTION, THE SOCIAL NETWORK, TOY STORY 3 (todas bastante óbvias), a A SINGLE MAN e WHERE THE WILD THINGS ARE (figuraram no meu top-20 o ano passado) e surpreendido pela positiva por teres arranjado lugar para LEBANON e KYNODONTAS, que também aprecio muito.


Cumprimentos,

Jorge Rodrigues

Gonga disse...

Vi quase todos na tua lista e só concordo em o sitio das coisas selvagens e canino.

São gostos....

João Bizarro disse...

Boa escolha, embora ainda não tenha visto alguns deles.
Outros estão no meu top 10: Inception; A Serious Man e The Ghost Writer (embora não pela mesma ordem)

Sam disse...

Os tops dos 10 melhores filmes de um ano são sempre tarefa ingrata, de foro pessoal e com elevada carga de subjectividade.

Mas o verdadeiro pay-off é a miríade de opiniões que geram!

E, tal como disse o Gonga, é tudo uma questão de "gostos" :)

Obrigado pelos vossos comentários!

Anónimo disse...

Caro Sam

Não consumi todos os itens da lista. Daqueles que vi achei o "Anti-Cristo" um filme memorável pela narrativa, pela diabolização da mãe-natureza, e pela fotografia. É um filme para registar nos anais do cinema. O badalado "Inception" é uma "vela" monumental. Como todos os meus amigos incensaram o filme dei-lhe várias tentativas. Quando adormeci pela terceira ou quarta vez com o rapaz DiCaprio em downhill algures na neve...desisti.
JNAS

O Projeccionista disse...

Falhei o Fantasia Lusitana e o Toy Story 3. Mas parece-me ser uma boa lista, apesar de alguns dos que aqui estão estarem na minha (sai amanhã e tal como no ano passado são 20, pois uma vez mais cheguei à conclusão que não consigo resumir aquilo a 10). Por exemplo, o Sítio das Coisas Selvagens, desiludiu-me.
Parece que o Serious Man deixou o pessoal dividido. Também acho que é dos filmes mais estranhos do ano, mesmo vindo de quem vem. Gostei, mas não chegou ao meu top.
O giro destas listas é pôr a malta a debatê-las ano após ano. Se todas fossem iguais não tinham piada.

Cumprimentos a todos.

Sam disse...

JNAS,

Posso "incendiar-te" a dar-lhe mais uma chance? :)

O Projeccionista,

"Se todas [as listas] fossem iguais não tinham piada". My point exactly! :)

Obrigado pelos vossos comentários!

Catarina Norte disse...

Como o Tiago Ramos disse, também me sinto inapta para fazer um Top10 :p Ainda por cima este ano faltou-me ver muita coisa de 2010...:(
Da tua lista, apenas vi Inception, O Sítio das Coisas Selvagens e Toy Story 3 (eu sei, shame on me!) e numa hipotética lista minha estes estariam sem qualquer dúvida presentes! Acrescentaria ainda Shutter Island...

Cumprimentos

Sam disse...

Catarina,

O Shutter Island é bom, é Scorsese a tentar fazer algo de diferente, mas não me deslumbrou como estes 11 títulos :)

Obrigado pelos teus comentários.